sexta-feira, 24 de agosto de 2012

39º Capítulo de Lembranças Amadas

Trigésimo Nono Capítulo




            Antes que Nate pudesse sequer prestar atenção no som do carro, corri para a entrada da casa dos Juges e me escondi em cima de uma das árvores que cercava o veículo. Esperava ver os pais de meu amigo lobisomem, mas me deparei com a visão de ninguém mais ninguém menos do que o paparazzo Robert.
            Ele não estava com nenhuma câmera e nem tinha nenhum colega lhe acompanhando. Parecia calmo e sem nenhum ar irônico. Andando lentamente, chegou à sacada, onde tocou a campainha. Imaginei se alguém iria atender à porta e permitir que aquele fotógrafo entrasse na casa das pessoas que ele tentara destruir, mas nem precisei pensar muito antes de Nate aparecer na porta.
            -O que você está fazendo aqui? – sua voz era grossa e ele parecia prestes a dar um soco naquele paparazzo caso sua resposta não fosse convincente o suficiente. Preparei-me para interferir se o lobisomem realmente partisse para a agressão física.
            -Eu vim porque seus pais me pediram, Nate – disse Robert, sem nenhuma pressa ou nervosismo, como se estivesse falando a verdade. Mas aquilo era impossível, certo? Os pais dos Dennis não podiam ser amigos de uma pessoa tão baixa quanto aquele homem.
            Helena surgiu na porta e percebi que ela tentava captar se o paparazzo falava a verdade. As Ners tinham aquele poder, o que podia ser bem útil em uma situação como aquela. – Mas por que eles te pediriam para vir aqui ao invés de vir pessoalmente?  
            -Os seus pais já disseram várias vezes que não iriam se misturar com os vampiros, certo? – indagou Robert, assustando a todos ao mostrar que sabia sobre a verdadeira condição dos Juges – Então, nada mais lógico do que não querer vir para a casa de vários deles.
            -Do que você está falando, Robert? – perguntou James, surgindo ao lado de Helena e Nate, bloqueando assim a porta e deixando bem claro que o fotógrafo não era bem-vindo em sua casa.
            -Vocês realmente acham que eu não sei de nada? Que eu realmente caí naquela historinha sobre a Bianca ser, na verdade, uma menina chamada Nathália? Que eu não reparei nos olhos roxos e pretos por todos os lados? – Robert deu uma risada de escárnio – Pelo amor de Deus.
            -Não sabemos do que você está falando – cortou-lhe James, tentando fechar a porta, mas o paparazzo se colocou no caminho. – Chega de teatro. Eu estou aqui para cumprir o que meus amigos me pediram para fazer. E ninguém vai me impedir.
            Desci da árvore e me aproximei por trás de Robert. Ele estava concentrado demais no vampiro, no lobisomem e na Ners que permaneciam na sua frente para conseguir escutar meus passos subindo a escada da entrada.
            -Existe gente que realmente não se toca de quando não é bem-vindo em algum lugar, né Robert? – perguntei, fazendo com que o humano pulasse, totalmente assustado. Seu coração disparou de forma tão intensa que temi que o fotógrafo sofresse um infarto.
            -Já deu de assustar o homem, ok? – disse Lilá, passando por James, Nate e Helena, antes de auxiliar Robert a se sentar e medir seus batimentos cardíacos. Era tão estranho ver alguém jovem como ela agindo como médico – Você está bem, senhor?
            -Estou – respondeu Robert com a voz fraca – Você é médica?
            -Sou sim – afirmou Lilá – Estudei Medicina em casa, então não posso exercer a profissão, mas consigo ajudar qualquer um que esteja mal. Espero que isso seja suficiente para você.
            Robert sorriu com a ironia de Lilá e, finalmente, escutei seu coração se acalmando. Quando percebemos que o fotógrafo não estava realmente mentindo e que todas as suas palavras não faziam parte de uma armação, eu e James o carregamos até um dos sofás da sala, enquanto Helena e sua mãe preparavam um chá para o visitante.
            Entretanto, Nate não parecia disposto a ajudar. – Meus pais não seriam tão rudes a ponto de nem me avisar que não vinham. Eu estava os esperando – meu antigo amor baixou os olhos, tentando esconder as lágrimas que queriam cair.
            -Irmão, eles não são tão ruins assim – aliviou Karl, colocando sua mão sobre o ombro de Nate. Percebi que o lobisomem se reconfortou com o toque de um familiar, tomando até mesmo coragem para levantar o rosto e encarar Robert.
            -Eu posso até acreditar em você... – começou Nate, mas sua fala foi interrompida pela voz de Camile. – Não é possível que você tenha voltado!
Escrito por StarGirlie.

5 comentários:

  1. E de novo Camile e seu irremediável suspense! Adoro quando ela simplesmente chega e dá o clímax na história ashuashuas' Será que este Robert tem algo a ver com a descoberta da lápide? Mistério, muuuito mistério rsrsrsrs

    Beijos, da sua grande fã
    Lara Andrade
    the-adolescent-dreamer.tumblr.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Camile definitivamente tem a mania de surgir no fim dos capítulos e deixar todo um suspense para o próximo... Não posso responder sobre a parte do Robert, mas vocês terão algumas perguntas respondidas no capítulo 40! Beijinhos, StarGirlie.

      Excluir
  2. S-E-N-S-A-C-I-O-N-A-L! Amei o capítulo! Será que Nate é mesmo irmão de Karl? Espero que não, torço para Helena e Nate formarem um casal!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gostou, Karol! Eu tenho que assumir: sou team Helate também :D Beijinhos, StarGirlie.

      Excluir

Escrever é expor seus pensamentos...
Coloque um comentário e venha se aventurar também!