quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

A Campainha Tocou

                E a campainha tocou.
                Logo, foi aquela correria. Não podia deixar seu irmão menor, Bruno, chegar à porta antes. Só Deus sabe o escândalo que iria fazer ao ver quem era a visita. Mas tudo bem, ele devia estar no quarto, jogando algum game bastante violento.
                Mas também tinha de ser mais rápida que a mãe. Esta que devia estar na cozinha, fazendo algum tipo de quitute, algo assim. Se não achasse logo o chinelo, temia que ela abrisse a porta, já que a cozinha ficava ao lado do hall de entrada.
                Buscou os chinelos, mas só achou um pé. O outro devia estar embaixo de algum móvel qualquer, mas não havia tempo para procurá-lo. Logo, abriu a sapateira e pegou uma sapatilha que estava “na mão”. Calçou, indo em direção à porta do próprio quarto.
                Logo que pegou a maçaneta, percebeu que estava malvestida demais. Aquela blusa mostrava a barriguinha, e a calça, que uma vez fora jeans, agora parecia mais uma bermuda de pedreiro.
                Correu para o guarda-roupa. Abriu a porta, pegou uma camiseta e vestiu, mas percebeu que estava furada. Pegou então um vestidinho, tirou a camiseta e o vestiu, mas este parecia chique demais para o ambiente “casual” que queria demonstrar.
                Pensou na demora que estava tendo. A mãe provavelmente já havia aberto a porta, caso contrário, a campainha tocaria novamente.
                Achou um shorts nem muito curto, nem muito longo. Vesti-o, assim que se livrou do vestido. Depois, achou uma regata basiquinha, mas que adorava. Vestiu também. Para completar o visual, foi pegar uma fivelinha de cabelo.
                Tropeçou em alguma coisa. O pé de chinelo perdido.
                Abriu a gaveta, pegou o enfeite e pregou-o no cabelo. Foi correndo para o espelho, olhou-se rapidamente e sorriu. Estava bom.
                Antes de sair do quarto, pegou um gloss que fora jogado no sofá e passou rapidamente pelos lábios, rezando para que não estivesse borrado. Não havia tempo para mais uma checada.
                Desceu as escadas, tentando não ficar ofegante. Sem sucesso, claro.
                Passou pelos cômodos e, ao chegar ao hall, estampou no rosto o maior sorriso que possuía. Era ali, e agora. Esperava aquele toque há horas. Respirou fundo, abriu a porta. Olho para o...
                -Correio, assine aqui. – disse ele, lhe entregando um pacote.
                ...Carteiro!?
Respirou fundo novamente, a decepção incrustada em seus olhos.
Pegou o pacotinho, nem agradeceu, e fechou a porta na cara do sujeito.
O odiava mesmo.
Quem ele pensava que era para lhe dar falsas expectativas?
Foi para seu quarto, rastejando. Sentou-se no sofá, abriu o pacote, e tirou de lá uma carta.
Brenda,
Estarei pensando em você a todo momento. Gostaria de estar aí para poder tocar sua campainha.
Seu, e apenas seu,
Paulo.
Sorriu. Lembrou-se do carteiro e imaginou que poderia dar um beijo nele de tanta felicidade.
O amava mesmo.

Nota da autora
As situações mudam, à medida que se descobre mais sobre elas. O fato é: tudo na vida depende dos olhos de quem vê. E do coração daqueles que sentem.

                By Babi

4 comentários:

  1. Verdade, Babi. Amei a crônica. E você viu minha resposta lá naquele post? Beijinhos, StarGirlie.

    ResponderExcluir
  2. Já vejo, Star. Obrigada :)

    Bjs, Babi

    ResponderExcluir
  3. Muiitoooooooo bomm !!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Lindo, lindo, lindo!

    ResponderExcluir

Escrever é expor seus pensamentos...
Coloque um comentário e venha se aventurar também!