quinta-feira, 9 de junho de 2011

36° Capítulo Fofoqueira Fina 2



         Narrado por Luna...
         Cheguei ao restaurante junto a Erik. Um encontro triplo, típico de Julie. Ela e Thiago estavam se dando bem, e Monica e David também – apesar, é claro, de todos perceberem que ela não esquecera Daniel. E talvez nunca fosse esquecer.  
         Entramos no restaurante e o celular de Monica apitou. Enquanto ela fora atender a mensagem, pegamos uma mesa e todos nos sentamos.
         -Então... – disse Julie, olhando para mim e para Erik, que estávamos de mãos entrelaçadas. - ... eu ainda não sei o que aconteceu com o casalzinho...
         Eu ri envergonhada. Na realidade, nem eu saberia direito.
         -Bom... –comecei, mas Erik me cortou.
         -Não, Lu, deixa que eu explico. – ele sorriu de um jeitinho meigo, me fazendo ficar feliz. – Sabe, eu fiz uma coisa horrível...
         “... naquele dia, em que eu sumi, encontrei Hevangeline. Eu estava meio perdido, e quando percebi, estava me divertindo pela primeira vez em muito tempo. O problema é que eu não percebi a coisa mais importante na hora, mas a culpa da minha vida não estar indo ‘bem’ não era da Luna. Era só minha. E como não vira isso antes, achei que a Heva era a solução... mas não era. Eu só me desliguei dos problemas.”
         Erik tomou fôlego e olhou melancólico para mim.
         -Mas, quando eu percebi que tinha feito um estrago, já estava praticamente noivo. Fiquei me matando por dentro, e quando encontrei Luna na delegacia, já havia percebido que tinha feito uma grande burrice. E fiquei muito bravo... comigo mesmo. Acabei descontando nela.
         Meus amigos pareciam interessados, e Erik continuou.
         -Então, no dia do meu casamento, eu estava esperando no altar. Não me sentia preparado, estava muito confuso. Quando vi Hevangeline entrando na igreja, só pensava em Luna. E, quando o padre perguntou para ela se me aceitava, ela respondeu que “não”. Foi um choque, mas logo depois de falar a palavra decisiva, Hevangeline virou-se para mim, sorriu e me beijou no rosto.
         Ele deu uma meia risada, ao se lembrar do momento, e segurou firme a minha mão.
         -Então, ela me disse: “Erik, vai ser feliz. Ela está te esperando, sei que está.” Sem pensar duas vezes, agradeci e saí correndo. Sou muito grato à ela, por me fazer feliz. Fui direto para casa de Luna, e ao vê-la abrindo a porta, simplesmente soube que era ela e sempre seria ela.”
         Julie parecia muito impressionada, assim como Thiago e David. Eu fiquei rosada em ver a expressão de todos.
         -Bom... – eu disse, disfarçando. – ...quando eu estava no hospital por causa do incidente, Gabriel veio falar comigo. Nós conversamos, e eu sabia que ele nunca seria feliz comigo. Ele amava a Bella.
         Parei por um momento. Na realidade, nós nem havíamos trocado uma palavra. Ele apenas chegara ao quarto, segurara minha mão e sentara ao meu lado. Momentos depois saiu, e nada mais foi preciso para ambos entendermos.
         Monica voltou, parecendo um pouco assustada. Pensando bem, ela demorara muito ao telefone.
         -Quem era? – perguntou David, percebendo o mesmo que eu.
         -Ninguém importante.
         Todos sorriram. Agora tudo parecia bem.
         De repente, a porta do restaurante se abriu e, ainda rindo, meus amigos olharam para ela.
         A nossa expressão mudou. Quem havia acabado de chegar era Daniel. Detalhe: segurando a mão de Hevangeline.
         -Ai meu Deus. – disse Julie, apenas falando em voz alta o que todos pensaram.

Um comentário:

  1. AAAH! Homem não presta mesmo! --' asuhauashusa Beijinhos,Cáah!

    ResponderExcluir

Escrever é expor seus pensamentos...
Coloque um comentário e venha se aventurar também!