sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Cupcakes Mágicos - Vão mudar a sua vida

she's hot like that                A garota passeava pela rua. Estava meio sem ter o que fazer, então não estava indo para um lugar específico.
                Seu nome? Bianca. Mais conhecida como “Eu”.
                Bem, comecei a ficar com fome. Já fazia algum tempo que almoçara, então procurei algum lugar onde pudesse saciá-la. Olhei para os lados e, de repente, dei de cara com uma loja que me atraiu:
                “Cupcakes Mágicos – Vão mudar a sua vida”.
                Confesso, o nome era brega. Mas, de qualquer forma, achei a fachada legal. Tinha um toque especial, e me vi pensando como não vira aquele lugar antes.
                Entrei e uma moça logo me atendeu.
                -Bom dia, senhorita! O que gostaria?
                Olhei uma pequena ficha no balcão. Ali, diversos nomes de cupcakes estavam escritos, bem como suas respectivas fotos. Sem pensar muito, escolhi um dos nomes:
                -Quero o Cuplove, por favor.
                A atendente me olhou com dúvida estampada no rosto.
                -Se eu fosse você, tomaria cuidado. – e saiu.
                Fiquei um pouco assustada, mas não dei muita bola. Gente estranha era o que menos faltava naquela cidade.
                Em poucos minutos, o bolinho foi entregue. Paguei o preço que estava na tabelinha e sai da loja, agradecendo.
                Peguei o cupcake e continuei andando. Logo, cheguei em meu destino: a praça que ficava em frente à minha casa. Gostava de passar as tardes ali, enquanto lia um livro ou via a movimentação.
                Sentei-me em um banco, dei uma mordiscada no meu cupcake e peguei o livro que trazia na bolsa. Hamlet, minha história favorita.
                O livro já estava gasto, já o havia lido centenas de vezes, mas, mesmo assim, me divertia a cada leitura.
                Aproveitei enquanto o lia e comia o cupcake. Era ótimo, com um doce diferente. Suculento, em outras palavras.
                De repente, escutei um barulhinho. Virei-me para o lado, surpresa.
                -Olá! – disse um rapaz, mais ou menos da minha idade, que segurava um cupcake igual ao meu. – Te vi lendo Hamlet. Gosta de Shakespeare?
                -Err... eu... – ponderei sobre sair correndo ou responder a pergunta. Não era exatamente correto falar com estranhos, mas uma pergunta como aquela merecia resposta. Sorri, então, e decidi prosseguir. - ...Adoro!
Take your time to find me                O jovem sorriu também.
                -Bem, então acho que há algo podre no reino da Dinamarca!*
                Ri, me divertindo com o modo como as palavras foram ditas.
                -Bianca, prazer. – falei, estendendo a mão.
                -Pedro, encantado. – respondeu, beijando-a.
                Senti minhas bochechas sendo ruborizadas. Mesmo tendo dezessete anos, manias infantis como essa nunca morrem. O hábito, esse demônio que devora todos os sentimentos.*
                -E este é seu livro favorito? – disse ele, apontando para Hamlet, no meu colo.
                Concordei.
                -Sim, é.
                Ele riu, descontraidamente. Deu uma última mordida no cupcake e eu fiz o mesmo.
                -Da última vez em que me lembro, seu livro favorito era Chapeuzinho Vermelho.
                Engasguei-me com o último pedaço. Como assim da última vez? Nunca sequer o vira. E como ele sabia que meu livro favorito quando criança era Chapeuzinho Vermelho?
                Ele riu novamente, vendo meu espanto.
                -Achei que iria se lembrar. Pense bem.
vela, criança, jovem, bonito, bonito miúdos, os miúdos - a imagem inspiradora sobre Favim.com                Fiquei assustada. Mas, por fim, decidi olhar dentro de seus olhos e investigar. Pareciam familiares.
                -Espera aí! – falei, finalmente. – Você!
                Nem esperei que respondesse. O agarrei num abraço. Aquele era, sem dúvidas, João, meu melhor amigo até os sete anos. Ou, se preferir, João Pedro.
Apesar das diferenças físicas, de ter crescido e tudo mais, os olhos nunca mentem. Aprendi isso da pior maneira.
                -Então você lembrou? – falou ele. – Sabe, estive vindo aqui durante muito tempo. E, sempre que te via lendo, não tinha coragem de me aproximar. Mas quando vi o que estava comendo...
                -Sendo o fim doce, que importa que o começo amargo fosse?*- ri de mim mesma. - Mas por quê? O que o bolinho te a ver? – perguntei, realmente curiosa. Não conversávamos há dez anos, quando eu mudara de escola, e havia sentido muita falta de ter meu melhor amigo comigo. E agora, ele estava ali. Bem ali!
                -É um Cuplove, da loja da minha família.
Love, Lust, & Romantics.                Sorri, pensando na sensação que tivera ao morder o bolinho.
                Agora, já se fazem dez anos. Mas eu entendo o motivo do Cupcake ser chamado “Cuplove”. Ele me fizera encontrar meu melhor amigo e, atualmente, marido. Ele me unira ao meu verdadeiro amor.
 O conselho da atendente nada mais fora do que um aviso sobre o que ainda estaria por vir. Coisas maravilhosas. Mágicas.
By Babi
*Citações retiradas de Hamlet, Shakespeare.

5 comentários:

  1. Que lindooooooooooooooooooooooooooo!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Eu sempre amo os contos de vocês... Por que será, hein?? Eu sou meio suspeita pra falar kkk

    ResponderExcluir
  3. EU ESTOU AGONIADA!! QUERO LER MAIS POSTS DE VOCÊS!!!

    ResponderExcluir

Escrever é expor seus pensamentos...
Coloque um comentário e venha se aventurar também!